"E quanto a mim, que amo a vida, parece-me que os que melhor entendem a felicidade, são as borboletas e as bolas de sabão, e todos os que se lhes assemelham.

Ao ver voejar essas pequenas almas leves e prazenteiras, graciosas e volúveis, Zaratustra sente tomá-lo uma vontade de chorar e de cantar.

Só posso acreditar num Deus que soubesse dançar.

E quando encontrei o meu Diabo achei-o grave, meticuloso, profundo, solene; era o espírito da Gravidade. É ele que faz cair todas as coisas.

Não é a cólera, é o riso que mata. Eia, contra o espírito de Gravidade!

Aprendi a andar; deste então corro sem esforço. Aprendi a voar; desde então já não espero que em empurrem para mudar de sítio.

Vede como me sinto leve; vede, vôo; vede, sobrevôo-me; vede, há em mim um Deus que dança.”

Assim falava Zaratustra - Friedrich Nietzsche

"E quanto a mim, que amo a vida, parece-me que os que melhor entendem a felicidade, são as borboletas e as bolas de sabão, e todos os que se lhes assemelham.

Ao ver voejar essas pequenas almas leves e prazenteiras, graciosas e volúveis, Zaratustra sente tomá-lo uma vontade de chorar e de cantar.

Só posso acreditar num Deus que soubesse dançar.

E quando encontrei o meu Diabo achei-o grave, meticuloso, profundo, solene; era o espírito da Gravidade. É ele que faz cair todas as coisas.

Não é a cólera, é o riso que mata. Eia, contra o espírito de Gravidade!

Aprendi a andar; deste então corro sem esforço. Aprendi a voar; desde então já não espero que em empurrem para mudar de sítio.

Vede como me sinto leve; vede, vôo; vede, sobrevôo-me; vede, há em mim um Deus que dança.”

Assim falava Zaratustra - Friedrich Nietzsche